Dica de leitura – A sutil arte de ligar o foda-se

a sutil arte de ligar o foda-se

Seria maravilhoso se todos nós tivéssemos uma vida sempre excelente, maravilhosa, sem problemas. Mas não é assim que funciona. Então, ao invés de se lamentar, reclamar, culpar ou jogar a culpa nos outros, e descontar frustração em outras coisas ou pessoas, por que não encarar as dores e dificuldades da vida como parte dela?

Não temos como ser felizes sempre, nem ser cem por cento em tudo o que fazemos. Podemos ser muitos bons em alguma área, mas em outras não. Às vezes podemos estar passando por algum momento ruim ou delicado, e isso faz parte da nossa caminhada. Cada um é responsável por seus problemas e circunstâncias pelos quais está passando. Mesmo quando a vida nos traz algo que não é nossa “culpa”, somos inteiramente responsáveis pelo agir a partir disso, pelas consequências do que escolhemos fazer com isso, e como escolhemos nos sentir. Sempre teremos algum problema para resolver, e eles trazem aprendizado e crescimento.

O autor diz que a consciência é uma cebola, cheia de camadas. A primeira camada seria a compreensão simples das próprias emoções: “Isso me alegra”, “Isso me causa tristeza”, “Isso me traz raiva”. A próxima camada é se perguntar o porquê de alguns sentimentos. É difícil e pode levar tempo, mas esses questionamentos ajudam a entender a raiz das emoções. Ainda mais difícil é a terceira camada, que é formada pelos nossos valores pessoais: porque consideramos algo um sucesso ou um fracasso, e qual é o padrão que usamos para avaliar e julgar nós mesmos e os outros? Esses valores são a base do que somos e fazemos, e definem a natureza dos nossos problemas, que, por sua vez, determina a nossa qualidade de vida. Ficar no nível inicial não traz nenhum progresso real.

Descobrindo quais são os seus valores, você pode dar tempo e atenção ao que realmente importa para você. E o resto, foda-se!

“Pense nesse livro como um guia para o sofrimento, que ensina a sofrer da melhor forma, com mais significado, mais compaixão e mais humildade. A idéia é que você tenha uma vida mais leve apesar dos fardos que carrega, que conviva melhor com seus maiores medos e ria das lágrimas enquanto chora. Este livro não vai ensiná-lo a subir na vida ou alcançar seus objetivos, e sim a errar e perder sem se destruir por isso.” (p. 30)

“A sutil arte de ligar o foda-se” faz parte do acervo da Biblioteca Padre Elemar Scheid. Boa leitura!

Anúncios

Pequenas Porções de Leitura

Pequenas Porções de Leitura 2019

Dica de Livros – Volta às aulas

Man Reading Book and Sitting on Bookshelf in Library

Sejam bem-vindos calouros e veteranos! A Biblioteca Católica SC  deseja a todos um excelente ano de aprendizagem. Hoje, nossas dicas são de livros que podem auxiliar a estudar melhor. Boa leitura e bons estudos!

aprender-a-estudar-como-superar-as-dificuldades-nos-estudos

Aprender a estudar: como superar as dificuldades nos estudos (Concepción Fernández Rodríguez)

“O estudo exige concentração, compreensão e memorização. As dificuldades que certos alunos apresentam podem ser solucionadas com o uso de técnicas simples, ensinadas nesta obra. Elas podem garantir um aproveitamento melhor tanto para os alunos que já vão bem na escola quanto para queles que possuem baixo rendimento. A obra analisa os problemas mais comuns, oferecendo soluções práticas e concretas que auxiliam pais e educadores na orientação e motivação dos alunos para uma prática de estudo eficaz.”

como estudar melhor

Como estudar melhor (Ronald W. Fry)

“Como Estudar Melhor é um livro de imensa popularidade entre estudantes norte-americanos de todas as idades, agora publicado no Brasil pela Cengage Learning. Esta edição, revista e atualizada pelo autor, traz informações importantes para todos aqueles que já estudam ou que estão voltando a estudar, por exemplo: como ter sucesso nos estudos, como utilizar a biblioteca, fazer pesquisas on-line e muito mais. A obra inclui ainda questões de leitura, escrita, gerenciamento de tempo e memorização.”

leitura de estudo

Leitura de estudo: ler para aprender a estudar e estudar para aprender a ler (Leda Tessari Catello Pereira)

“O livro traz uma investigação teórico-prática sobre o ensino de alguns procedimentos intelectuais, necessários no estudo do texto escrito, fundamentais para quem tem de lidar com esse material, tanto na sua formação, como na formação de futuros estudantes e leitores. Trata-se, em outras palavras, de estudar como se ensina a estudar – os procedimentos metodológicos necessários na interação com o texto, em particular com certos gêneros de texto. A preocupação não foi com a técnica, passos que se devessem seguir, mas com o como ensinar a encontrar as idéias principais, a interpretar as pistas que o texto apresenta para encontrar essas idéias.”

tecnicas para estudar com sucesso

Técnicas para estudar com sucesso (Andrew Northedge)

“Este livro é um valioso instrumento de auxílio na formação dos estudantes e objetiva servir como guia e apoio para o estudante em várias situações de sua vida acadêmica, como, por exemplo, a elaboração de trabalhos e a preparação para provas e exames.”

Exposição: Espontâneos

A Biblioteca Padre Elemar Scheid está com uma mostra de desenhos da Josiane Almeida. Amante do desenho desde a infância, Josiane nunca mais parou – quando há o desejo, um papel e um lápis, ela desenha. “Espontâneos” pode ser visitada até o dia 28 de fevereiro, nos seguintes horários: de segunda à sexta-feira das 08h às 22h30min, e nos sábados das 08h às 12h. Prestigie a exposição!

convite expósição Josiane

expo Josiane

Pequenas Porções de Leitura

011 Pequenas Porções de Leitura 2019 05

Ampliação do número de renovações

renovações

O ano letivo de 2019 começou com novidades nas Bibliotecas da Católica SC!

A partir de hoje livros retirados para empréstimo poderão ser renovados até 5 vezes consecutivamente, desde que não haja reserva cadastrada por outro usuário.

As orientações de renovações através do “Meu Pergamum” podem ser conferidas aqui.

Aproveite!

Livros que viraram filmes – Tomates verdes fritos no Café da Parada do Apito

tomates verdes fritos

Era dezembro de 1985 quando Evelyn Couch foi mais uma vez à casa de repouso Rose Terrace, onde o seu marido ia visitar a mãe dele aos domingos. Evelyn não gostava muito de ir lá, e naquele dia conseguiu escapar dos dois e ir à um saguão dos fundos. Ela achou que ia ficar sossegada, mas logo uma senhora, com seus oitenta e alguns anos, desatou a falar. A partir daquele dia, Evelyn e a sra. Threadgoode passariam a conversar todos os domingos, e se tornariam grandes amigas.

Enquanto a senhora vai contando e relembrando coisas do passado, consegue ajudar a Evelyn, que estava perto dos cinquenta anos, a se redescobrir e a mudar sua vida. O livro conta, alternadamente, histórias em décadas diferentes, especialmente em torno do Café, que era de Idgie e Ruth. Enquanto conta causos de formas diferentes, vai apresentando ao leitor a vida de diversas pessoas, no Alabama. Fala de preconceito, de perdas, mas principalmente de transformações, de coragem, de amizade e de amor.

O livro foi publicado pela primeira vez em 1987 e virou filme em 1991. “Tomates verdes fritos” faz parte do acervo da Biblioteca Padre Elemar Scheid. Boa leitura!

Pequenas Porções de Leitura

Pequenas Porções de Leitura

Dica de Leitura – Infância interrompida

infc3a2nciainterrompida

Jodie era uma garota de sete anos, nascida em um lar de risco, mas que só recentemente foi tirada de seus pais. Passou por cinco famílias em quatro meses, até que a acolhedora Cathy, apesar de todos os problemas que a menina estava causando, aceitou levá-la para sua casa. Ela não podia deixar a criança, tão pequena, ir para um abrigo.

Cathy era divorciada e tinha três filhos adolescentes, dois biológicos e uma adotiva. Era acolhedora há mais de vinte anos, e seus filhos estavam acostumados a ter outras crianças ou adolescentes em sua casa por um período.  Ela sentia que agora seria mais difícil, pois Jodie tinha um histórico de agressões e rejeições. Mesmo assim, estava disposta a fazer de tudo para ajudar a menina.

O primeiro dia de Jodie na casa não foi nada bom. A primeira noite, foi ainda pior. Passaram-se dias, semanas, sem que Cathy conseguisse algum progresso com a menina. Quase desistiu, mas não queria ser mais uma a abandoná-la. Seus filhos a incentivaram e ajudaram, e Cathy continuou dando tudo de si. Um dia, Jodie se abriu um pouco para Cathy, fazendo uma importante revelação. Ela comunicou as pessoas responsáveis, e o contato que a menina tinha com os pais, foi cortado. A partir disso, a acolhedora começou a entender um pouco mais a Jodie.

Além do comportamento difícil e imprevisível, Jodie também tinha muita dificuldade em aprender. Tinha uma professora particular, e não apresentava nenhum progresso. Cathy também percebeu que a menina às vezes agia como se fosse outra pessoa, um bebê, ou um adulto, ou uma mãe. Ela tinha personalidades múltiplas. Quase um ano se passou, houveram dias bons e dias ruins. Até que um momento crítico trouxe mudanças.

Cathy Glass é um pseudônimo para a acolhedora, que foi quem escreveu o livro. Nomes e alguns dados foram trocados para preservar as pessoas envolvidas, mas o livro é baseado em fatos reais. Uma leitura envolvente e tocante, que mostra um pouco da realidade de tantas crianças e das pessoas que lidam com elas.

“Infância interrompida” faz parte do acervo da Biblioteca Joinville. Boa leitura!